Critical Watcher
Consumido por um sentimento estranho, fecho os olhos e as primaveras já não possuem a mesma fragrância. Estão melhores, mais bonitas... Ávido por um momento assim e enfurecido por anos de busca à minha felicidade - e conseqüentes decepções -, descanso tranqüilo neste meu sonho real. A pureza de uma criança preenche-me o coração e anestesia todas as possíveis desilusões. Apesar da existência do medo, talvez pela incerteza do amanhã, suplanta-se o ideal de liberdade, de encontro de corpos nunca antes imaginado... E eu não estou só; há alguém que caminha ao meu lado... Há alguém que parece possuir todas as qualidades e defeitos que sempre busquei. Os sentimentos afloram, as mágoas passam, o futuro nos abraça... Seria tudo verdade ou aquele sonho, antes real, não passaria de apenas frutos de minha imaginação? Não sei! Apenas não quero acordar daquela viagem excepcional. Quero tornar-me fruto de toda aquela situação e viver para sempre o amor mais raro e mais completo que já senti; o amor que pôde me fazer criança, encher-me de ideais, trazer-me o tão ardente prazer de minha existência...

5 Responses
  1. Anônimo Says:

    Ahhhhh!

    É um longo devaneio quase que compreensível.
    Meias palavras, tão simples e tão bonitas de se ler.

    Merece outro parabéns!

    Anônimo? É uma sombra. Vem de outras eras...
    Permite eu vir até aqui comentar sobre seus textos?


  2. Paulo Maia Says:

    Bom, é mais uma perfeita obra literária que tenho o prazer de ler. Parabéns Vicente, pelas suas palavras, indiscutivelmente sempre colocadas do modo mais perfeito possível! Continue escrevendo e nos premiando com sua leitura!


  3. Anônimo Says:

    Yep! It's secret. Do you like secrets? I think them interesting.

    ;)

    Soon you'll know who i am. Ow! I just like the things that you write, ok?

    Have a nice afternoon, little boy.
    And dont' stop to write, see?! Because i always like to come here.

    See u!


  4. Anônimo Says:

    Volte a postar!!

    =(


  5. dan Says:

    Cheguei à conclusão que tens 97 anos e está no fim da vida. Nesse instantes, ao leito de morte, fazes uma restrospectiva... Um idoso, com seus amores adolescentes e sentimentos infantis, porém não imaturos. Caramba! Sem dúvidas você é capaz de assumir identidades diferentes e dominá-las com a maestria de quem SABE escrever.